2015 é o ano da música eletrônica no Brasil

2015 é o ano da música eletrônica no Brasil

Olá, amigos e amantes da música eletrônica. Aqui é o Adriano Magno. Esta semana li uma matéria no site do RMC (www.riomusicconference.com.br) escrito brilhantemente por João Anzolin e achei que vocês deveriam dar uma olhada. Retrata bem a realidade do nosso país em relação ao mercado da música e da profissão do DJ. Segue abaixo o repost da matéria!

 

Por que 2015 é o ano da música eletrônica no Brasil:

1 – Nunca tivemos tantos produtores brasileiros trabalhando e se destacando, em todos os gêneros

House, Techno, EDM, Trance, Bass Music: não importa o gênero musical, nossos produtores estão no estúdio incessantemente e, destes estúdios, tem saído muita coisa de qualidade. Uma consequência imediata disto é que cada vez é mais fácil você se deparar com nomes brasileiros em grandes sites de venda e serviços de streaming – muitas vezes sem sequer saber que eles são seus conterrâneos.

Veja dois hits recentes de novos nomes brasileiros que explodiram em 2015 e que talvez você não conheça:

“Ripple Effect” é apenas uma das faixas da catarinense BLANCAh que tem tocado em sets de DJs como Solomun e Sasha:

Já “Eyes” é um dos maiores hits do ano nas pistas de todo o país – e o melhor: 100% nacional, feito em parceria por Constantinne, Felten e Vintage Culture:

2 – Os festivais estão bombando

Tomorrowland Brasil, Sónar Brasil, EDC Brasil: sim, está todo mundo vindo pra cá! Somando a expertise dos gringos a marcas nacionais consagradas como XXXPerience, Tribaltech, Tribe, Kaballah e Federal Music o resultado é: festivais lotados de Norte a Sul do país, desenvolvendo uma cultura ao redor destes eventos que só faz crescer. Sem falar das festas menores – principalmente as chamadas “Festas Holi” que além dos seus tradicionais pós coloridos, são sempre embaladas por DJs. Já temos até um site (e dos bons) dedicado exclusivamente a este mundo: o Projeto Pulso.

Festival de musica eletronica

3 – A música eletrônica brasileira invadiu até as novelas

Desde 2011 (quando Tiko’s Groove emplacou “I Don’t Know What To Do”) uma faixa produzida por um brasileiro não entrava na trilha de uma novela nacional. Pra compensar, parece que a Rede Globo decidiu colocar logo duas faixas em 2015:

– “Digging On You” do Elekfantz está na trilha de “A Regra do Jogo”:

– Já “Don’t Wanna Touchdown” do carioca Jhonny Glovez, foi trilha para “Babilônia”:

4 – E não só elas: até o Fantástico se rendeu aos DJs!

23 de junho de 2015 pode entrar para a história da conturbada relação entre a cena eletrônica e a TV brasileira como o marco de uma possível “reconciliação oficial”. Focando nos números impressionantes que os festivais movimentam (em dólares e público), a matéria de pouco mais de 3 minutos deu uma boa geral das pistas e passou longe dos batidos (e recorrentes no passado) programas que denegriam e atacavam as festas.

Para assistir ao programa na íntegra, acesse: http://globoplay.globo.com/v/4273240

5 – Muito além das capitais, o interior também está com seus clubes lotados

Você já ouviu falar em Passo Fundo, no Rio Grande do Sul? Ou em Papanduva ou Chapecó, em Santa Catarina? Juiz de Fora, Minas Gerais? Ou Cascavel, no Paraná? Pois bem: estas cidades pouco conhecidas da grande mídia brasileira são redutos respeitados quando o assunto é música eletrônica. O motivo: clubes, festas, profissionais e principalmente, pistas absolutamente apaixonadas pelos DJs. Não é à toa que Beehive, Amazon, Bielle, Privilege e Field estão entre os melhores clubes do Brasil em cidades distantes das capitais. Foi-se o tempo em que apenas algumas metrópoles brasileiras tinham clubes e festas: no interior é mais provável que você encontre uma boa festa do que em algumas capitais do país!

Festa musica eletrônica interior

6 – O RMC continua batendo recordes de público

É verdade que a cada ano, tanto as edições regionais como a principal do Rio Music Conference apresentam crescimento. Mas o fato de que em 2015, tanto no Rio de Janeiro como em Curitiba tivemos número recorde de inscritos – além de um excelente quórum no retorno a Belo Horizonte – demonstra como o interesse de todos pelas pautas abordadas na conferência é cada vez maior. Some-se aos números um dado intangível mas muito representativo do bom momento: a qualidade das discussões em todas as praças por onde o RMC passou é cada vez maior e de altíssimo nível!

Rio Music Conference

7- Cursos de discotecagem e produção lotados em todo o país

DJ Premium e outros: nunca foi tão fácil entrar no mundo da produção musical e da discotecagem com acompanhamento didático especializado. Os cursos de extensão estão sempre cheios de gente curiosa e apaixonada pelo mundo das pistas. Detalhe importante: os egressos dos cursos não se dedicam exclusivamente às atividades de DJs/Produtores, alimentando positivamente a cadeia produtiva como agentes, managers e profissionais de outras atividades relacionadas ao mercado do entretenimento.

DJ Premium - Tenha sucesso como DJ - Como ser DJ - Curso de DJ

8 – O primeiro Censo de DJs do Brasil mostrou números impressionantes deste mercado

Iniciativa pioneira do Big Spaces Brasil, o primeiro Censo de DJs já feito no país levantou quase mil e quinhentos DJs – além de dezenas de agências, clubes, festas e diversos outros profissionais do mercado. Para ver os resultados, acesse aqui.

9 – A mídia especializada nunca foi tão grande

House Mag, Mixmag Brasil, Vice/THUMP, Alataj, Phouse, DJ Room: nunca tivemos tantos meios especializados em informar e mobilizar o público das pistas como em 2015. São dezenas de profissionais dedicados a trabalhar com notícias e conteúdos focados em música eletrônica – em proporções inéditas.

10 – As ruas das nossa cidades estão tomadas por… Festas com DJs!

Belo Horizonte, Curitiba, Florianópolis, São Paulo: em todas estas cidades eventos a céu aberto com programação de DJs tocando ocuparam as ruas em 2015. O caso mais emblemático foi o da capital paranaense: o “Carnavibe” promovido pela Prefeitura da cidade algumas semanas antes do Carnaval concentrou mais de 30 mil pessoas correndo atrás do trio elétrico para ouvir DJs brasileiros (apesar da forte chuva!).

Festa de DJs

Fonte: RMC